Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 16 de Agosto de 2017. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
6305767


Edicão n° 166 de Abril 2017


GERAL

Anatel esclarece atuação da Agência em relação às rádios comunitárias e orienta entidades


Os problemas para instalação das rádios comunitárias no país e uma nova legislação para o
setor foram temas de audiência pública realizada na Comissão de Ciência, Tecnologia,
Comunicação e Informática (CCTCI) no Senado, nesta quinta-feira, 27.04. O chefe da
Assessoria Técnica da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Marcus Paolucci,
disse durante a audiência que a Agência já fez alterações em seus regulamentos
beneficiando as rádios comunitárias. Mas, explicou Marcus Paolucci, os problemas
relacionados às frequências precisam ser analisados individualmente pela Anatel.

O coordenador de Análise Técnica de Radiodifusão Educativa do Ministério da Ciência,
Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC), Rodrigo Cruz Gebrim, disse durante o debate
que existem de 4,7 mil rádios comunitárias outorgadas no país. O número de rádios FM é
bem menor, destacou, cerca de 3,5 mil. Segundo Gebrim, o Ministério quer reduzir para
seis meses o prazo para autorizar o funcionamento das rádios comunitárias. Atualmente, o
processo leva cerca de um ano.

O coordenador executivo da Associação Brasileira de Rádio Comunitária (Abraço), Geremias
dos Santos, informou que as rádios comunitárias demandam novas frequências para evitar
as zonas de sombra que impedem o acesso ao serviço para as populações residentes
nestas áreas. Os representantes das rádios comunitárias reclamaram ainda do andamento
dos processos na Anatel, que consideram lento. ...

Feriado de Tiradentes terá Viagem Segura com quatro dias de fiscalização intensiva



Polícia Rodoviária Federal, Brigada Militar e Comando Rodoviário da BM estão mobilizados
para a 72ª edição da Viagem Segura. A operação de Tiradentes, que se estende por
quatro dias, tem início à zero hora desta quinta-feira (20) e se estende até a meia-noite
de domingo (23). Em Porto Alegre, haverá como sempre, megablitz na saída do
feriadão, somando os esforços da Polícia Civil e dos agentes da Balada Segura à Viagem
Segura.
Analisando os acidentes no período de 2007 a 2016, o Detran/RS identificou que
Tiradentes tem uma média de 6,6 vítimas fatais/dia, pouco mais que a média geral dos
15 feriados e datas comemorativas em que vem ocorrendo a operação (6,5 mortes/dia).
No ano passado, foram 31 mortes em cinco dias de operação, considerando as pessoas
que morreram até 30 dias após o acidente.
Quanto aos locais em que ocorreram as mortes, destacam-se os municípios de Porto
Alegre (11), seguido por Caxias do Sul (oito) e Rio Grande, Lagoa Vermelha e Passo
Fundo (seis cada um). Somente as rodovias federais BR 116, BR 392 e BR 285
respondem por 28% das mortes ocorridas no período. A análise identifica informações
estratégicas que permitem o emprego mais eficaz dos efetivos de policiamento e
fiscalização de trânsito, bem como ações educativas preventivas.
Sobre a Viagem Segura
A Operação Viagem Segura, que completou cinco anos de atividades no último feriado
de 15 de novembro, tem como principais parceiros Polícia Rodoviária Federal (PRF),
Brigada Militar (BM), Comando Rodoviário da BM (CRBM), Detran/RS e Polícia Civil.
Também colaboram ANTT, DNIT, Cetran/RS, DAER, EGR, Famurs, Setcergs, SindiCRD,
Metroplan, órgãos de trânsito municipais (EPTC, de Porto Alegre) e Lions Club.
Nas 71 edições até agora efetuadas, mais de 4,8 milhões de veículos foram fiscalizados.
O resultado foi a autuação de 795,6 mil infrações, o recolhimento de mais de 76,8 mil
veículos e 20,7 mil Carteiras Nacionais de Habilitação. Foram aplicados 157,5 mil testes
de etilômetro, que registraram 14,3 mil infrações por alcoolemia, além das 1.242
autuações por recusa. ...

Operação Viagem Segura de Páscoa começa nesta quinta-feira


O feriado de Páscoa é um dos que mais preocupam os órgãos e instituições que atuam na
Operação Viagem Segura. Entre 2007 e 2016, esse foi o terceiro feriado com mais mortes nas
vias gaúchas, atrás apenas do Dia das Mães e do Dia do Trabalho. Com média de 7,2 mortes
por dia, a Páscoa tem a média diária dos finais de semana nos quais não há feriados - nesses, a
média no período é de 6,5 vítimas fatais.

Por essa razão, as autoridades estarão em campo buscando coibir comportamentos de risco
desde a zero hora desta quinta-feira (13), até a meia-noite de domingo (16). Serão quatro dias
de Operação Viagem Segura, ofensiva de combate à acidentalidade que completou cinco anos
de atividades no último feriado de Quinze de novembro, e tem como principais parceiros Polícia
Rodoviária Federal (PRF), Brigada Militar (BM), Comando Rodoviário da BM (CRBM), Detran/RS
e Polícia Civil. Também colaboram ANTT, Cetran/RS, Daer, EGR, Famurs, Metroplan, SindiCRD,
órgãos de trânsito municipais (EPTC, em Porto Alegre), Fecam, Setcergs, além de
representantes da sociedade civil organizada, como o Lions Club.

Feriado de Páscoa nos últimos anos

Analisando os acidentes da Páscoa no período de 2007 a 2016, o DetranRS identificou um
predomínio de mortes no primeiro dia de feriado - o que significa que o dia em que as pessoas
se deslocam por distâncias maiores entre sua cidade de origem e a de destino (7,8 mortos/dia).
Nos dias intermediários do feriado, quando comumente os trajetos são mais curtos, chama a
atenção o grande predomínio de vítimas no período da noite. A soma dos turnos da noite e
madrugada, aliás, predomina largamente sobre os diurnos, seja no dia inicial, nos intermediários
ou no último dia.

Quanto aos locais em que ocorreram essas mortes, destacam-se os municípios de Pelotas em
primeiro lugar, Porto Alegre e Gravataí. Somente as rodovias federais BR 386, BR 116 e BR 290
respondem por 24% das vítimas fatais no período, seguidas de perto pela rodovia estadual RS
287. A análise identifica informações estratégicas que permitem o emprego mais eficaz dos
efetivos de policiamento e fiscalização de trânsito, bem como ações educativas preventivas.
Megablitz e ação educativa na rodoviária

Como já é tradicional, em Porto Alegre, haverá Megablitz na saída do feriadão, somando os
esforços da Polícia Civil e dos agentes da Balada Segura à Viagem Segura. Além disso,
servidores do DetranRS, PRF, ANTT, Sest Senat, empresas do programa Transportadora da
Vida e EPTC, acompanhados de integrantes do Comitê Municipal da Balada Segura de Porto
Alegre, promovem ação educativa na estação rodoviária da capital, alertando para a
importância da utilização do cinto de segurança também nos ônibus.

Sobre a Viagem Segura

Nas 70 edições da Viagem Segura até o momento, mais de 4,7 milhões de veículos foram
fiscalizados. O resultado foi a autuação de 784,1 mil infrações, o recolhimento de mais de 76,1
mil veículos e 20,4 mil Carteiras Nacionais de Habilitação. Foram aplicados 153,7 mil testes de
etilômetro, que registraram 14,2 mil infrações por alcoolemia, além das 1.099 autuações por
recusa. As próximas duas edições da Viagem Segura ocorrem em sequência nos próximos finais
de semana: Tiradentes, de 20 a 23, e Dia do Trabalho, de 28 a 1º de maio, inclusive.
...

Estado e municípios se unem no combate a violência e criminalidade


Integrar todas as esferas da sociedade no combate à criminalidade e à violência é o propósito
do governo do Estado com o lançamento do Sistema de Segurança Integrada com Municípios do
Rio Grande do Sul (SIM/RS). O decreto que institui o Sistema foi assinado pelo governador José
Ivo Sartori, nesta quinta-feira (6), em evento no Palácio Piratini. Nesse primeiro momento 15
municípios assinaram o termo de cooperação ou manifestaram interesse, dos quais seis já
desenvolvem ações em parceria com o Estado.

A iniciativa vai orientar a criação e a execução de políticas de gestão para o setor. O SIM/RS é
coordenado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) e composto por suas instituições
vinculadas, secretarias estaduais, municípios, órgãos da esfera federal e entidades da sociedade
civil.
O SIM/RS é formado por cinco eixos: tecnologia; informação e inteligência; operações;
prevenção primária; sistema penitenciário e ressocialização. Cada eixo conta com uma série de
ações, determinadas de acordo com a realidade de cada município.
"O que vimos aqui hoje é a união de forças do Estado e dos municípios, com a colaboração de
órgãos federais e da sociedade civil organizada para qualificar a segurança. Ou trabalhamos
conjuntamente ou não alcançaremos os resultados desejados na pacificação da sociedade. Ter
respostas e ações ágeis e eficientes na repressão ao crime e à violência é o que a sociedade
exige de nós", destacou o governador.

Sartori também falou da importância de atuar na prevenção da criminalidade oferecendo
educação, assistência e oportunidades aos jovens. "Tenho insistido que o trabalho na Segurança
deve ser permanente, prioritário e integrado", ressaltou. O governador lembrou o anúncio feito
essa semana que autoriza o chamamento de 683 novos servidores para a área da Segurança
Pública, o retorno de 500 policiais inativos para a ativa e o pedido de um estudo para abrir
novos concursos.

"O quadro de insegurança que se instalou no país exige soluções criativas, diferenciadas e que
atendam o anseio da sociedade em ter mais Segurança. Precisamos criar a cultura da paz e da
não violência e os municípios são essenciais nesse processo", afirmou o secretário da Segurança
Pública, Cezar Schirmer.
A integração dos sistemas tecnológicos é um dos carros-chefe do projeto. As instituições que
assinarem o termo de cooperação serão interligadas ao Centro Comando e Controle Integrado
(CICC) e aos Centros Operacionais de Segurança Pública (CIOSPs) já existentes nas regiões ou
municípios, agregando as tecnologias para o acompanhamento em tempo real de ações,
eventos e incidentes.
"Reduzir custos e otimizar recursos humanos com a integração de todos os poderes é o que
buscamos, alinhando planejamento estratégico e integração sistêmica das instituições", garantiu
Schirmer. O secretário falou que está previsto o estudo para unificação dos números de
atendimento de emergência, tendo como referência os serviços em operação nos Estados
Unidos e outros países. "Temos que facilitar a vida dos cidadãos", afirmou. ...

Abertas inscrições em curso inicial para monitores do Primeira Infância Melhor


Estãos abertas as inscrições na 2ª edição da Capacitação Inicial para monitores dos programas
Primeira Infância Melhor (PIM) e Criança Feliz do governo federal. Os projetos permitem que
crianças gaúchas recebam cuidados de profissionais em casa, contribuindo para o desenvolvimento
físico, intelectual e social dos pequenos. As inscrições estão abertas até 17 de abril no site do PIM.

O público prioritário são representantes dos Grpos Técnicos Municipais (GTM) e monitores das
macrorregiões Metropolitana e Missioneira. A capacitação acontecerá no auditório da Federação
das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) - Rua Marcílio Dias, 574.

Com carga horária de 24 horas, a qualificação tem metodologia de atendimento de acordo com as
diretrizes das políticas de atenção à saúde, educação e desenvolvimento social. Em função do
número restrito de vagas, os municípios poderão inscrever até 3 técnicos (GTM e/ou monitor) que
não tenham participado de capacitações iniciais. ...

Governo defende mudança urgente nos modelos da CEEE, Sulgás e CRM


O governo estadual reforça a necessidade da aprovação dos projetos que integram o Plano de
Modernização do Estado e estão sendo apreciados pelo Parlamento. O conjunto de medidas é
mais uma etapa fundamental para a sustentabilidade financeira, somada à adesão ao Regime de
Recuperação Fiscal e a uma mudança nas condições econômicas.

Em reunião com deputados da base aliada, na noite dessa terça-feira (4), o governador José Ivo
Sartori agradeceu a coragem pelas iniciativas já aprovadas, desde 2015, e abordou aspectos
que demonstram as dificuldades enfrentadas por estruturas ainda mantidas pelo Estado. A
Proposta de Emenda à Constituição que retira a necessidade de realização de plebiscito para
alienação, transferência do controle acionário, cisão, incorporação, fusão ou extinção relativas à
Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Rio-grandense de Mineração (CRM)
e Sulgás (Companhia de Gás do Rio Grande do Sul) foi um dos pontos tratados.

Diante do cenário fiscal do Estado, a manutenção dessas estatais tem-se mostrado
insustentável ante as demandas que precisam ser atendidas pelo Tesouro, como nas áreas de
Saúde, Educação, Segurança, Infraestrutura e Políticas Sociais. Embora essas empresas tenham
apresentado melhoria na gestão, há, nesse momento e nos próximos anos, uma necessidade de
investimento crescente para que a qualidade dos serviços prestados continuem em evolução, o
que demandará aportes por parte do Estado.

Fazer o que precisa ser feito

Antes de viajar a Brasília para acompanhar a votação do projeto de Regime de Recuperação
Fiscal (RRF) na Câmara dos Deputados, o governador José Ivo Sartori abriu a coletiva de
imprensa na manhã desta quarta-feira (5) afirmando que "o Estado está no meio da travessia".
Salientou que "com verdade e transparência, o governo vem fazendo o que precisa ser feito" na
busca do equilíbrio fiscal, mas atrelou o êxito das ações tomadas desde 1º de janeiro de 2015 à
aprovação das medidas do Plano de Modernização do Estado pela Assembleia Legislativa, ao
crescimento econômico nacional e à aprovação do RRF.

"Mostramos aos técnicos do Tesouro Nacional que já tínhamos feito boa parte do dever de casa
e cumprido determinadas etapas (do RRF), e outras que virão. Nós precisamos sim, da ajuda
federal", declarou Sartori, afirmando ainda que o projeto do Regime de Recuperação Fiscal não
é o ideal. "Não é apenas pelas contrapartidas, mas é também porque ele representa apenas um
quinto da folha de pagamento do Estado do Rio Grande do Sul". Porém, frisou Sartori, o plano "é
absolutamente necessário para dar tranquilidade aos governantes".

"Eu quero salientar mais uma vez a toda a sociedade riograndense, que com transparência,
verdade e atitude, o Rio Grande do Sul saiu na frente no combate à crise financeira do Estado.
Nós queremos fazer esta travessia juntos e fazer o Estado voltar a crescer. Mas eu quero
deixar bem claro que as medidas que nós tomamos até aqui têm que ter continuidade",
enfatizou.

Função do Estado

Ainda na coletiva de imprensa que apresentou os balanços das três estatais que constam na
PEC em apreciação na Assembleia, o secretário do Planejamento, Governança e Gestão, Carlos
Búrigo, reafirmou que é função do Estado garantir à sociedade, Segurança, Saúde, Educação,
Infraestrutura e Assistência Social.

"Desde o início do governo, trabalhamos com este conceito. Com as ações de gestão e com o
Acordo de Resultados, nós conseguimos identificar quais as ações que estavam sombreadas e
aquelas que não têm a necessidade da presença do Estado. Então, essa PEC da CRM, Sulgás e
CEEE tem este conceito. Não precisa o Estado estar presente e a frente dessas empresas. O
mercado tem condições de fazer investimentos e pode ser mais eficiente do que o Estado",
disse Búrigo.

O secretário condicionou a oferta de energia elétrica ao aporte de recursos. "Precisamos ter
investimentos nestas empresas, o que o Estado não tem condições de fazer", afirmou Búrigo,
que enfatizou também o fato das companhias serem importantes na negociação com o governo
federal. "Nós precisamos dar ativos de garantia", afirmou.
O secretário interino de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior, afirmou que o momento é
"ímpar", pois de posse dos números a sociedade pode decidir "antes que a situação se torne
irreversível". "Mesmo que algumas pessoas dissessem que o Estado vinha em franca
decadência, a falta de transparência com que o Estado foi conduzido não permitiu nos
anteciparmos ao que estamos enfrentando agora, atraso de salário e as dificuldades estruturais
de voltar a crescer", declarou Lemos.

O chefe da Casa Civil, Márcio Biolchi, reforçou que "a falta de transparência custou muito para
essas companhias". Biolchi disse que o momento é de decisão. "Quando se fala de PEC, não
estamos falando em questão de governo, mas em questão de Estado. É importante a aprovação
na Assembleia, respeitando sua soberania e estamos trabalhando para construir o resultado.
Mas a gente tem que ter a compreensão social que a aprovação traz efeitos. Mas a não
aprovação também pode trazer efeitos para o Rio Grande do Sul"”, afirmou Biolchi.

As companhias

No caso da CRM, a companhia apresenta dependência de um único cliente público (CGTEE), que
vem reduzindo o volume do seu contrato (3,4 mi ton/ano em 2015 para 1,2 mi ton/ano em
2017). As análises da empresa indicam que a estrutura de pessoal, com 415 funcionários em
2016, é inadequada para a operação atual e futura e tem custos elevados, havendo necessidade
de redução de mais 44% no quadro funcional, que tem média salarial é de R$ 6,4 mil. A
dificuldade de negociação do preço pago pela CGTEE para a CRM está inviabilizando a
companhia, que passará a ter dificuldades de caixa a partir de maio.

Além disso, há um estoque de carvão a ser entregue até 2024 no total de 6 milhões de
toneladas e que já foram pagos para a companhia em gestões passadas, fazendo com que
tenha de entregar 1,9 milhão de tonelada/ano e faturar apenas 1,2 milhão de tonelada/ano. No
caso da Sulgás, embora apresente lucros para acionistas e a estrutura de pessoal esteja
adequada, a companhia tem o fornecimento de gás restrito ao eixo Porto Alegre/Caxias do Sul,
o que ocorre há 22 anos.

Os investimentos na expansão da rede são restritos e a médio e longo prazo a companhia não
terá capacidade de atender a demanda de gás no Estado. Além disso, a ausência de um plano
de expansão agressivo em grandes clientes condicionado a busca de novos fornecedores de gás
natural restringiu o fornecimento deste energético na matriz gaúcha.

Na CEEE, quando avaliada a estrutura responsável pela Geração e Transmissão, há aspectos
positivos, como o fato de a empresa ser superavitária contabilmente. Porém, as concessões
têm prazo determinado, e a estrutura de pessoal está dissociada do ideal. Cumpre destacar que
a companhia desligou funcionários já aposentados, necessitando de uma ampliação nos
desligamentos. Porém, por se tratar de empresa pública, não há segurança jurídica que evite a
reintegração de novos desligados. A média salarial é elevada. Na atual gestão, com os
desligamentos houve redução da média salarial bruta de R$ 21 mil para R$ 14 mil por
funcionário.

O passivo judicial, ex-autárquicos e fundação CEEE chega a aproximadamente R$ 1,3 bilhão. A
CEEE Distribuição teve resultado operacional negativo e os índices de qualidade técnica
estancaram em 2016, demandando novos investimentos para avançar. A empresa é deficitária,
em que pese a atual gestão tenha revertido o déficit estimado em R$ 725 milhões para cerca de
R$ 520 milhões nos anos de 2015 e 2016.

No Contrato de Concessão, há a previsão de que em caso de déficit o acionista controlador pode
aportar recursos visando evitar a perda da concessão. A diretoria financeira da CEEE-D, por
meio da Divisão de Contabilidade, estima que deve ser apresentados à ANEEL, até o final de
abril, um aporte de R$ 805 milhões pelo acionista controlador (Estado do Rio Grande do Sul).

Além disso, se novos investimentos não forem iniciados, há risco da qualidade do serviço se
deteriorar, prejudicando o avanço que a companhia teve no ano de 2015. Além da PEC que
retira a necessidade de plebiscito para tratar de questões relativas a essas empresas, também
foram tratados de outros projetos que estão em análise na Assembleia, como o que extingue a
licença-prêmio assiduidade do servidor estadual, cria a licença capacitação,e a que trata da
licença classista. ...

Ampliar os laços comerciais com a Argentina trará benefícios para a economia gaúcha


Definir estratégias conjuntas para promover o desenvolvimento social, econômico e comercial
do Brasil e da Argentina. Com este objetivo, governadores brasileiros e argentinos reuniram-se
na sexta-feira (31/03), em Porto Alegre (RS), tendo como anfitrião o governador gaúcho, José
Ivo Sartori. Autoridades e personalidades de diversos setores empresariais do Rio Grande do
Sul, entre as quais o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande
do Sul - FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, prestigiaram o evento, cuja solenidade de abertura
aconteceu no Theatro São Pedro.

- Sem dúvida é uma iniciativa do governador Sartori que merece todos os elogios. É muito
importante reforçarmos os laços comerciais com a Argentina, possibilitando que os dois países
ampliem sua participação econômica no mercado internacional. O Rio Grande do Sul é um
estado que reúne plenas condições de incrementar sua economia com o crescimento das
exportações brasileiras. Além disso, é favorecido por sua proximidade com o maior parceiro
comercial do Brasil no Mercosul - salientou o presidente Vitor Augusto Koch.

A Reunião de Governadores Brasil Sul e Argentina teve como primeira atividade o painel
"História e Perspectivas das Relações Bilaterais Brasil e Argentina", fazendo um balanço dos
trinta anos do processo de intercâmbio entre os dois países, e traçando um cenário para
consolidar a integração e ampliar as relações de cooperação. Os painelistas foram o embaixador
brasileiro, José Botafogo e o professor argentino e mestre em Relações Econômicas
Internacionais da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade de Buenos Aires, Jorge
Lucángeli, com mediação do deputado estadual Ibsen Pinheiro.

Em seguida, ocorreu uma reunião fechada entre os governadores, no Salão Alberto Pasqualini,
no Palácio Piratini, na qual foi elaborada a Carta de Porto Alegre, documento final do evento. O
encontro é o primeiro passo para colocar em prática o plano bilateral acordado pelos
presidentes Michel Temer e Maurício Macri, em fevereiro deste ano, durante visita oficial do
argentino a Brasília.
...

Seminário de Operações Especiais será no início de abril em Porto Alegre



O primeiro Seminário de Operações Especiais aplicadas à Segurança Pública – GATE 27 anos
será realizado no próximo dia 11 de abril, no auditório da Academia de Polícia Militar (APM), na
Avenida Coronel Aparício Borges, nº 2001, bairro Glória, Porto Alegre. A promoção é do 1º
Batalhão de Operações Especiais (BOE), com o objetivo de ampliar a compreensão sobre a área
de Operações Especiais e como elas podem ser empregadas no combate à criminalidade.

As palestras são: "Combate urbano: o conflito de baixa intensidade no Brasil, sua repercussão
na Segurança Pública e o papel das tropas de Operações Especiais", pelo 1º tenente Victor
Bomfim Monteiro; "Inteligência de Segurança Pública e Operações Especiais", com o major
Marcos Eduardo Ticianel Paccola; "O COE da Polícia Militar do Paraná: estrutura, atuação e
emprego operacional", pelo capitão Cezar Hoinatski; e "As Operações Especiais e o combate ao
Novo Cangaço no Brasil" , com o major Marcos Eduardo Ticianel Paccola.

De acordo com o comandante do GATE, capitão Gabriel Hoff, os palestrantes são referências
nacionais na área de Operações Especiais e especialistas reconhecidos nos assuntos sobre os
quais vão falar. "Queremos apresentar novos paradigmas para o emprego de tropas de
Operações Especiais com base nas experiências exitosas de outros estados, como Mato Grosso,
Paraná e Santa Catarina", ressaltou.

O evento é destinado a policiais militares, trabalhadores na área da segurança pública e
acadêmicos de direito. As vagas restantes serão destinadas aos demais interessados. As
inscrições são gratuitas e vão até o dia 31 de março. Os interessados devem solicitar a
inscrição
pelo e-mail boe-gate@bm.rs.gov.br. ...




Edição n° 166 - Abril 2017

Selecionar Edição
  • Edição n° 170
  • Edição n° 169
  • Edição n° 168





















  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821