Eldorado do Sul, Guaíba e Região Carbonífera, 13 de Julho de 2020. Página Inicial | Contato
SEÇÕES
Artigo
Educação
Eldorado do Sul
Especial
Geral
Guaíba
Produtos e Serviços
Região Carbonífera
Saúde
Flagrante na Foto
Anunciantes
LINKS
Portal Eldorado
Lantec
Envie sua Mensagem

Você é o visitante n°
31341153


Edicão n° 205 de JULHO 2020


ESPECIAL

Com nove novas regiões em alto risco, RS chega a 15 bandeiras vermelhas no mapa preliminar da 10ª rodada


O cenário de disseminação do coronavírus e da ocupação de leitos cresce no Estado. Na
décima rodada preliminar do Distanciamento Controlado, o Rio Grande do Sul tem 15
regiões com risco alto, ou seja, estão na bandeira vermelha. Essas regiões representam
84,2% da população gaúcha (9.535.519 habitantes). Na rodada definitiva do mapa
anterior, eram seis regiões em vermelho, equivalente a 52,9% da população (5,9
milhões de habitantes). As bandeiras definitivas serão divulgadas na segunda-feira
(13/7).

A análise preliminar dos índices de propagação do vírus e de ocupação dos leitos trouxe,
novamente, as regiões de Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo, Capão da Canoa,
Palmeira das Missões e Pelotas em bandeira vermelha. Essas áreas já haviam sido
classificadas como alto risco na rodada anterior.

As regiões de Taquara, Santo Ângelo, Cruz Alta, Santa Rosa, Erechim, Passo Fundo,
Caxias do Sul, Cachoeira do Sul e Santa Cruz do Sul evoluíram de bandeira laranja para
vermelha nesta rodada.

Santa Maria, Ijuí, Uruguaiana, Bagé e Lajeado são as cinco regiões que permaneceram
na bandeira laranja.

Embora nenhuma região do Estado tenha sido classificada com risco altíssimo (bandeira
preta), tampouco houve classificação de risco baixo (bandeira amarela). Nesta rodada,
inclusive, nenhuma região apresentou melhora nos índices.

O mapa preliminar da décima rodada foi divulgado pelo governo no fim da tarde desta
sexta-feira (10/7) e está disponível em https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br. No
prazo de 36 horas após a publicação do mapa preliminar, que se encerra às 6h de
domingo (12/7), os municípios que quiserem apresentar recursos sobre as classificações
podem preencher o formulário neste link: https://forms.gle/9HsVNQb7DSn5Fimy9.
Aqueles que se enquadrarem na Regra 0-0 e podem adotar protocolos de bandeira
laranja não precisam protocolar recurso.

Na segunda-feira (13/7), o Gabinete de Crise analisará os dados enviados e rodará o
mapa novamente e, à tarde, divulgará as bandeiras definitivas, que serão vigentes de
14 a 20 de julho.

Regra 0-0

Dos 391 municípios que compõem as áreas com bandeira vermelha, 218 cidades não
tiveram registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de morador nos 14 dias
anteriores ao levantamento. Por isso, se adequam à chamada Regra 0-0 e podem adotar
protocolos previstos na bandeira laranja por meio de regulamento próprio.

Basta que mantenham atualizados os registros nos sistemas oficiais e adotem, por meio
de decreto, regulamento próprio, com protocolos para as atividades previstas na
bandeira laranja. São 1.280.848 pessoas (11,3% do total do RS) nesta condição.

Vale lembrar que essas 218 cidades que se classificam na Regra 0-0 e podem adotar
protocolos de bandeira laranja não precisam protocolar recurso.

SITUAÇÃO GERAL

O número de novos registros de hospitalizações por Covid-19, nos últimos sete dias,
comparado à semana anterior, apresentou aumento de 6%, passando de 729 para 770.
A quantidade de internados em UTI por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
cresceu 11%, passando de 582 para 647. O mesmo se observa com o número de
internados em leitos clínicos para Covid-19, que passou de 554 para 693 internações –
crescimento de 25%.

Para as internações em UTI confirmadas para Covid-19, o aumento chegou a 21%,
passando de 418 para 504. O agravamento também é observado no número de casos
ativos na última semana, que atingiu 5.126, frente aos 4.281 da semana anterior. Por
fim, com relação ao número de leitos de UTI livres para atender a Covid-19 no último
dia, o quantitativo reduziu 9% entre as semanas, passando de 653 para 594.

O agravamento do indicador de capacidade de atendimento (número de leitos de UTI
livres para cada leito ocupado por pacientes Covid-19), mensurada no Estado como um
todo, segue em ritmo acelerado, obtendo alerta máximo. Na rodada anterior, o indicador
obteve bandeira vermelha e, nesta semana, a mensuração atingiu situação de bandeira
preta.

O indicador da Mudança da Capacidade de Atendimento, também mensurado para o
Estado, passou de bandeira amarela para vermelha, resultado da redução de número de
leitos de UTI livres para atender a Covid-19 no último dia em relação à quinta-feira
anterior.

Esses dois indicadores permitem acompanhar a capacidade de resposta da rede
hospitalar para atender a população que necessita deste nível de atenção (alta
complexidade). No entanto, é um indicador diretamente relacionado ao avanço da
doença no Estado, uma vez que quanto maior o número de casos ativos, maior o
número de pacientes que necessitarão de hospitais e maior o risco de pressão no
sistema de saúde.

Mesmo com todas as ações de ampliação de leitos de UTI no Estado, o avanço na
evolução da Covid-19 sinaliza risco alto de pressão ao sistema de saúde e a necessidade
de se ampliar ainda mais a conscientização da população em seguir os protocolos de
distanciamento, a fim de que se possa seguir nas ações de ampliação da rede e,
principalmente, garantindo o acesso adequado a leitos hospitalares e de UTI.

BANDEIRA VERMELHA E TRAVA DE SEGURANÇA

As regiões de Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo e de Capão da Canoa permanecem
em bandeira vermelha pela quarta semana consecutiva. Mesmo que estivessem com
mensuração de bandeira de menor risco, amarela ou laranja, as quatro regiões teriam
que cumprir as medidas da vermelha, devido à aplicação da trava de segurança – duas
semanas consecutivas na vermelha.

As regiões de Passo Fundo e Santo Ângelo, se mantida a bandeira vermelha após as
análises de recursos, também estarão inseridas na trava de segurança na próxima
semana, pois terão obtido bandeira vermelha por dois períodos alternados, dentro do
prazo de 21 dias.

Para as regiões de Palmeira das Missões e Pelotas, também se mantidas em bandeira
vermelha após o período de recursos, estarão inseridas na trava de segurança. Essas
regiões terão obtido duas semanas consecutivas de bandeira vermelha e, portanto, na
próxima rodada deverão cumprir novamente as restrições de bandeira vermelha, mesmo
que os indicadores regionais apontem para restrições menos severas.

Desse modo, essas oito regiões Covid – Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo, Capão
da Canoa, Passo Fundo, Santo Ângelo, Palmeira das Missões e Pelotas – poderão incidir
na regra prevista no modelo de Distanciamento Controlado de que, uma vez classificada
na bandeira final vermelha, por dois períodos consecutivos ou alternados, dentro do
prazo de 21 dias, somente poderão ser reclassificadas para bandeira menos restritiva
após preencherem os requisitos para tal reclassificação por pelo menos dois períodos
consecutivos de mensuração, visando garantir a segurança da população da região.

QUEM PIORA

As regiões de Taquara, Erechim, Passo Fundo e Caxias do Sul, que tiveram apuração de
bandeira vermelha na semana anterior, mas que, após avaliação dos recursos, foram
situadas em bandeiras laranja, retornam novamente para a vermelha, com médias
ponderadas mais elevadas que anteriormente.

As regiões de Santo Ângelo, Cruz Alta, Santa Rosa, Cachoeira do Sul e Santa Cruz do
Sul, que estavam em bandeiras laranja, passaram para bandeira vermelha. As
mudanças decorrem da contínua piora dos indicadores de propagação e de capacidade
do sistema de saúde, tanto regionais quanto macrorregionais.

QUEM MELHORA
Na décima rodada do modelo de Distanciamento Controlado, nenhuma das 20 regiões
Covid-19 apresentou melhora em sua bandeira final.
1. MACRORREGIÃO METROPOLITANA
Após a definição de bandeira vermelha na última rodada para quatro das cinco regiões
Covid da macrorregião Metropolitana – destaque para região de Taquara, que obteve
bandeira laranja após os recursos –, a situação de agravamento permanece. Nesta
semana, novamente as cinco regiões obtiveram bandeira final vermelha, na mensuração
prévia aos recursos. A região de Taquara apresentou situação de bandeira vermelha,
pois além da pressão advinda do agravamento na macrorregião, apresentou piora em
seus indicadores regionais. Assim, toda a macrorregião metropolitana obteve apuração
de bandeira vermelha, com o alerta importante de que as cinco regiões apresentaram
elevação da sua média ponderada final.

Com as hospitalizações e ocupação de leitos clínicos e de UTI para confirmados Covid-19
aumentando, a macrorregião Metropolitana atingiu a totalidade em bandeira vermelha e
o risco permanece elevado.

Os números de internados por SRAG em UTI, de pacientes Covid-19 em leitos clínicos
(confirmados) e de pacientes Covid-19 em leitos de UTI (confirmados) tiveram
novamente aumentos entre as duas semanas.

Com relação a SRAG, enquanto há sete dias havia 339 internados, a quantidade de
pacientes subiu 13%, passando para 383. No caso de leitos clínicos, o número de
pacientes passou de 333 para 477, aumento de 43%. E com relação aos internados por
Covid-19 em leitos de UTI, o aumento foi de 24%, passando de 248 para 307 pacientes.

Além dos indicadores que mensuram a velocidade do avanço na macrorregião, os
relacionados à capacidade de atendimento também se agravaram. O percentual de
pacientes confirmados para Covid-19 em leitos de UTI, com relação aos leitos livres,
continuou aumentando. Enquanto na semana passada havia 1,05 leito de UTI livre para
cada leito de UTI ocupado por paciente Covid-19, nesta semana o indicador passou para
0,75.

No comparativo do número de leitos livres de UTI no último dia para atender a Covid-19
entre as duas quintas-feiras, verifica-se redução no número de leitos de UTI livres,
passando de 260 para 231.

Com isso, enquanto o indicador de variação de internados por SRAG obteve bandeira
laranja e os indicadores de variação de pacientes Covid-19 em leitos de UTI e de leitos
clínicos obtiveram bandeira vermelha, os indicadores de capacidade de atendimento e de
mudança na capacidade de atendimento, mensuradas pela macrorregião, obtiveram
bandeira preta e laranja, respectivamente.

1.1 PORTO ALEGRE
Além da situação agravada pelos indicadores da macrorregião, o número de
hospitalizações confirmadas para Covid-19 registrado nos últimos sete dias apresentou
crescimento de 12% entre as duas semanas, passando de 227 para 254. Com isso, o
indicador apresentou bandeira laranja. Porém, destaca-se que a quantidade de novas
hospitalizações em proporção da população ainda é elevada, refletindo na bandeira preta
para o indicador de incidência na região.

Ainda, observa-se crescimento nas variáveis dos três indicadores de avanço da doença.
O número de internados em UTI por SRAG no último dia variou de 225 para 264 entre
as duas semanas. O indicador de internados em UTI confirmados para Covid-19 cresceu
24%, passando de 170 para 210. Por último, o indicador de internados em leitos clínicos
Covid-19 variou de 219 para 356 – aumento expressivo de 63%.

O indicador que mede o Estágio da Evolução, resultante da razão entre ativos e
recuperados apresentou piora, passando para avaliação de risco alto (vermelho). Com
isso, observa-se que, entre as últimas duas rodadas, o número de casos ativos na última
semana passou de 842 para 1.451. O de Projeções de Óbitos e de hospitalizações, na
última semana em relação a 100 mil habitantes, se mantiveram em avaliação de risco
máxima (preta).

1.2 CANOAS
A região de Canoas obteve a média ponderada final de 2,30. Os registros de
hospitalizações confirmadas para Covid-19 cresceram 8% entre as duas semanas,
passando de 64 para 69 hospitalizações. Frente à semana anterior, que havia crescido
mais de 50%, o resultado foi positivo, inclusive alterando a bandeira do indicador de
preta para laranja. Porém, o número de hospitalizações ainda é bastante elevado,
requerendo forte atenção. A situação de bandeira final vermelha acompanha a tendência
de agravamento, pois se trata da velocidade do avanço da pandemia e dos efeitos que
podem permanecer por mais semanas.

Da mesma forma, o número de internados em UTI por SRAG no último dia passou de 42
para 47 entre as duas semanas. Para o indicador de internados em UTI confirmados
para Covid-19, o crescimento foi de 13%, variando de 32 para 36. Com relação ao
número de pacientes Covid-19 em leitos clínicos o aumento foi de um paciente
(passando de 46 para 47 internados).

...

Prefeitura de Porto Alegre segue em alerta para atender atingidos pela cheia


Prefeitura de Porto Alegre segue monitorando a cheia do Lago Guaíba e em alerta para
atender famílias ribeirinhas que precisem deixar suas casas devido à inundação. Na
tarde deste sábado, 11, o nível do lago se estabilizou em 2,58 metros, segundo a Defesa
Civil do Município. O normal é 1,2 metro.

Equipes da Defesa Civil e da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) estão na
região das ilhas avaliando a situação das famílias. Um abrigo foi montado na Escola
Estadual Alvarenga Peixoto, na Ilha dos Marinheiros. Segundo o diretor-geral da Defesa
Civil de Porto Alegre, coronel Evaldo Rodrigues de Oliveira Júnior, a previsão era que 13
pessoas, de seis famílias, fossem recebidas até o início da noite. Durante o sábado
foram entregues 150 cobertores e seis sacolas de roupas para 75 famílias da Ilha do
Pavão.

Na manhã deste domingo, 12, a escola receberá o serviço de desinfecção com a
pulverização de quaternário de amônia e biguanida. O trabalho será realizado pela
Unicontrol, a exemplo do que está sendo feito desde 28 de março em locais públicos de
grande circulação e unidades de saúde.

Os serviços são doados por empresas que estão ajudando Porto Alegre no combate ao
novo coronavírus, utilizando materiais, veículos, equipamentos e mão de obra próprios.
Os termos de doação foram assinados com a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos
(SMSUrb), seguindo orientações da Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Essa e outras
ações de desinfecções vêm em reforço à limpeza diária que já é feita pelas equipes do
Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU). ...

Prefeito Marchezan e Primeira Dama visitam moradores da Ilha dos Marinheiros


O prefeito Nelson Marchezan Júnior, acompanhado da primeira-dama Tainá Vidal, visitou
na tarde desta sexta-feira, 10, moradores da Ilha dos Marinheiros para verificar a
situação em que se encontram. Também esteve na Escola Estadual Alvarenga Peixoto,
que está sendo preparada para abrigar moradores do local, caso as águas do Guaíba
sigam subindo e atinjam suas residências.

“Nossas equipes estão preparadas, mobilizadas e monitorando a situação dos moradores
que residem próximos às margens do Guaíba e dos seus principais afluentes”, observou
o prefeito.

Marchezan lembrou que os servidores da Defesa Civil Municipal, Guarda Municipal,
Assistência Social, Saúde, Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae),
Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Departamento Municipal de
Habitação (Demhab) e de todas as secretarias envolvidas, além da Defesa Civil Estadual
e Bombeiros, não medirão esforços para, de forma rápida e eficiente, atender os porto-
alegrenses que necessitarem de apoio. “Estamos preparados para amenizar o sofrimento
desses moradores e prestar todo o apoio”, disse o chefe do Executivo.

Uma das poucas casas que foram atingidas pelas águas do Guaíba, até o final da tarde
de sexta, foi de Sueli Soares, 22 anos, que reside com o marido e o filho Adriel, de um
ano,na rua Ignácio de Oliveira. Mesmo tendo a altura de 20 cm de água dentro de casa,
ela diz que não deixará o lugar. “Morava com meu pai, me mudei há três dias para a
minha casa e não vou voltar. Tenho a esperança de que as águas baixarão rapidinho e
poderei tocar a minha nova vida”, observou. O filho mais velho, que tem dois anos,
seguirá na casa do avô, que fica em um ponto mais alto. “Não consegui terminar de
fazer a minha mudança. Não vou desistir”, mantem-se firme, mesmo diante de
conselhos para voltar para a casa do pai e se abrigar melhor.

Na Escola Alvarenga Peixoto, o prefeito foi recebido pela diretora e pela vice-diretora,
respectivamente Kátia Schirmer e Valéria Severo, que estão há 17 anos lecionando e
fazendo a gestão. “Neste período já enfrentamos muitas enchentes e sempre ajudamos
a comunidade. Em anos anteriores colocávamos quatro famílias em cada uma das dez
salas de aula. Tínhamos capacidade para atender de 200 a 300 pessoas. Com o
distanciamento social, deveremos reduzir pela metade”, contabiliza Valéria.

A diretora levou o prefeito e a primeira-dama até o refeitório e disse que distribuirá toda
a merenda da escola para as famílias do entorno da instituição de ensino. “Tudo o que
tem no depósito será entregue às famílias e alimentará as crianças", salientou Kátia.

Acompanharam a visita do prefeito os secretários de Relações Institucionais e seu
adjunto, respectivamente Christian Lemos e Mário Santa Maria Júnior; dos Serviços
Urbanos, Hiratan Pinheiro da Silva; o vice-presidente da Fundação de Assistência Social
e Cidadania (Fasc), Joel Lovatto; o comandante da Guarda Municipal Marcelo
Nascimento; o coordenador da Defesa Civil de Porto Alegre, coronel Evaldo Rodrigues;
equipes técnicas da prefeitura e a gestora do Centro de Relações Institucionais e
Participativas (Crip) Região Ilhas, Patrícia Salcedo, além de lideranças da região. ...

Hospital Moinhos de Vento lança campanha para ajudar famílias atingidas pela enchente


O Hospital Moinhos de Vento iniciou uma campanha para arrecadar doações para ajudar
as famílias atingidas pela enchente na Ilha Grande dos Marinheiros, em Porto Alegre. A
partir desta segunda-feira (13), alimentos não perecíveis e agasalhos podem ser
entregues nos postos de coleta no saguão do 8° andar do Bloco B, com acesso pela Rua
Tiradentes, 333, ou na portaria de serviços pela Rua Dr. Vale.

A região das ilhas foi atingida pelas inundações do Rio Jacuí e muitos moradores
ribeirinhos tiveram que sair de suas casas. Quem quiser colaborar com recursos para a
compra de roupas e alimentos, pode depositar qualquer valor na conta da Associação
Hospitalar Moinhos de Vento.



Anote os dados:

Banco Santander (033)

Agência 3794

Conta 13000064-9

Razão Social: Associação Hospitalar Moinhos de Vento

CNPJ: 926858330001-51



A instituição solicita que os depósitos sejam identificados.



Crédito das fotos: Irmão Miguel Orlandi ...

Rio Grande do Sul recebe 218 mil máscaras e cinco toneladas de produtos de limpeza e higiene


O governo do Estado recebeu, na tarde desta terça-feira (7/7), duas doações para
ajudar no enfrentamento à pandemia de Covid-19. O Sindicato das Indústrias Químicas
no Estado do Rio Grande do Sul (Sindiquim-RS) e a Braskem entregaram cinco
toneladas de produtos de limpeza e higiene e a Fitesa, 218 mil máscaras de produção
própria.

Parte das doações foi entregue de forma simbólica ao governador Eduardo Leite e ao
chefe da Casa Militar e coordenador estadual de Proteção e Defesa Civil, coronel Júlio
César Rocha Lopes, no Palácio Piratini.

Leite destacou a importância da responsabilidade social e corporativa das empresas.
“Essas doações e todas as que temos recebido são duplamente importantes: por um
lado, pelo efeito dos materiais em si, que serão usados para higienização e proteção de
quem está na linha de frente. Mas tem um segundo efeito, também importante, que é
moral, de apoio e de engajamento por parte da iniciativa privada que estimula a todos
dentro do governo e da sociedade. Neste momento em que todos enfrentamos nossas
dificuldades, saber que não estamos sozinhos é algo que motiva e nos faz persistir no
enfrentamento ao coronavírus”, afirmou o governador.

De acordo com o coronel Rocha, todos os itens recebidos serão levados organizados e
distribuídos com base em levantamento das equipes da Defesa Civil e da Secretaria da
Saúde que participam do Comitê de Logística e Abastecimento, que atua diretamente no
Gabinete de Crise atendendo às demandas geradas pela pandemia.

Segundo o presidente do Sindiquim e diretor da Braskem, Newton Mario Battastini, o
evento Química na Praça, que celebra o Dia do Químico (18 de junho) há dez anos com
entrega de brindes, foi adaptado por causa da pandemia. Para marcar a data, foram
doadas cerca de cinco toneladas de produtos como água sanitária, sabão, desinfetantes
e álcool gel, que serão distribuídos pela Defesa Civil para todo o Estado.
O vice-presidente da Fitesa na América Latina, Mateus Mesquita Inácio, afirmou que a
empresa ajustou a matriz de produtos e adaptou suas linhas de produção de matéria
prima para a confecção de máscaras e roupas médicas, a fim de combater a falta de
equipamentos de proteção individuais (EPIs) necessários ao trabalho de equipes médicas
no combate à Covid-19. As 200 mil máscaras entregues nesta terça já somam um total
de mais de 900 mil itens doados pela empresa durante a pandemia.

Como doar

Interessados em fazer doações devem contatar a Central de Doações da Defesa Civil
Estadual e agendar previamente pelo telefone (51) 3288-6781, a fim de evitar
aglomerações.

Local: Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff)
Endereço: avenida Borges de Medeiros, 1.501 – bairro Praia de Belas, Porto Alegre
Horário: de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 18h

No mesmo local, as doações podem ser entregues em drive-thru, sem a necessidade de
agendamento, das 9h às 15h, de segunda a sexta-feira.
...

Secretaria da Saúde recebe 3,5 mil inscrições de voluntários para reforço no atendimento à Covid-19


O canal de cadastro de voluntários para atendimento à Covid-19, iniciativa da Secretaria
da Saúde (SES), recebeu cerca de 3,5 mil inscrições desde a divulgação do formulário. A
plataforma, lançada em 26 de março, está no site do governo do Estado que reúne
informações sobre o coronavírus. Clique e acesse a página de cadastro, que segue
recebendo inscrições.

Entre os voluntários que se cadastraram, 1.979 são profissionais da área da saúde.
Inscreveram-se médicos, enfermeiros, psicólogos, cuidadores de idosos, entre outras
especialidades. O restante pertence a outras categorias profissionais, incluindo as áreas
de Direito, Ciências Contábeis e Informática.

Carina Fischer Feddern, 25 anos, aluna do 3° semestre do curso de Farmácia na
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é voluntária na Farmácia de
Medicamentos Especiais. Desde que iniciou as atividades, há dois meses, a estudante
atua na atenção básica e na dispensação de medicamentos.

Para ela, além de promover muito aprendizado, a experiência está sendo marcante.
“Sempre atuei em laboratório, nunca tive de lidar diretamente com as pessoas, por isso,
está sendo muito importante. É um bom momento para nós nos abrirmos para o mundo
e procurarmos entender o outro. Acredito que devemos estar sempre de braços abertos
para as pessoas e, mais do que nunca, temos de ajudar quem precisa”, afirmou.

Há outros voluntários atuando na mesma unidade da farmácia, na avenida Borges de
Medeiros, no Centro. Um deles é James Nunes Pires, 50 anos, que há três meses exerce
as atividades no local. O voluntário está concluindo curso técnico em Enfermagem na
Escola Profissional Fundatec.

Para James, que dedica dois dias da semana para a atividade, o voluntariado está sendo
muito gratificante. “Esses dois dias são especiais. Estou aprendendo a exercer mais a
empatia e isso faz diferença para as pessoas, ainda mais neste momento tão
complicado. O trabalho realizado na farmácia é maravilhoso e fazer parte disso é muito
satisfatório”, relatou. James também atua na dispensação de medicamentos e na
atenção básica aos pacientes.

Até o momento, foram convocadas 18 pessoas para atuação na Farmácia de
Medicamentos Especiais. Segundo Cristian Guimarães, diretor de planejamento da SES,
há diversos voluntários passando por entrevistas para colaborar em outros locais, como
no Hospital Psiquiátrico São Pedro, nos Residenciais Terapêuticos, no Hospital Colônia
Itapuã e no Departamento de Gestão e Tecnologia da Informação.

Como realizar o cadastro

O voluntário deve preencher o formulário de cadastro, que pode ser acessado neste link.
Existe uma aba específica para profissionais da saúde e outra para quem atua em outras
áreas. Para que o voluntário seja convocado para exercer as atividades, deverá passar
por um protocolo, incluindo entrevista. O preenchimento não garante a entrada em
exercício.

As atividades que estão sendo executadas dependem da necessidade dos locais
específicos em que o voluntário foi lotado, sob supervisão de um responsável. Os
voluntários estão sendo convocados conforme a necessidade identificada pelos
departamentos e setores da Saúde. ...

Incerteza elevada e queda na renda freiam o consumo das famílias, aponta pesquisa da Fecomércio-RS


A Intenção de Consumo das Famílias (ICF-RS), divulgada pela Fecomércio-RS nesta
segunda-feira, dia 06, mostra que o pessimismo avançou com o prolongamento da crise
do coronavírus. Depois de registrar a maior queda mensal da série na edição anterior, o
ICF-RS teve nova retração na margem, de 4,7%, registrando 73,4 pontos. Em relação a
junho do ano passado, a queda foi de 18,4%.

Entre os componentes da pesquisa, a maior queda mensal foi no indicador de consumo
atual (-8,8%), que atingiu 65,2 pontos, menor valor desde abril de 2018. Momento para
duráveis, que teve a segunda maior queda (-7,1%), é o indicador que acumula a maior
contração em relação a março (-54,3%) e registra o menor valor entre os indicadores
(38,2 pontos), refletindo a avaliação predominante de 80,2% dos entrevistados sobre
ser um mau momento para comprar esses bens. O segundo indicador mais pessimista
diz respeito à perspectiva de consumo (61,4 pontos) que, embora tenha ficado
praticamente estável na margem, acumula queda de 37,2% em relação a março.

O indicador de situação de renda atual (81,5 pontos), que teve queda de 6,4% na
margem, reflete a percepção de uma renda familiar pior que o ano anterior para 40%
dos entrevistados. “Os indicadores refletem o contexto de muita cautela diante de
tamanha incerteza e dos impactos da crise sobre o mercado de trabalho e a condição
orçamentária de muitas famílias. Muitas se viram sem renda por estarem impedidas de
trabalhar ou com renda reduzida em função dos contratos de trabalho suspensos,
redução de carga horária ou demitidas”, comentou o presidente da Fecomércio-RS, Luiz
Carlos Bohn.
...

Posso passar álcool gel no rosto?


O álcool gel passou a fazer parte da rotina de todo mundo, desde o início da pandemia do
coronavírus. Ele é indicado para limpeza das mãos para todas as situações nas quais não há
a possibilidade de fazer a higienização com água e sabonete.

A presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS, Taciana Dal Forno Dini,
ressalta, no entanto, que pacientes passaram a questionar também se seria adequado usar
o produto no rosto. A resposta é não.

“O uso na face não é apropriado porque o álcool gel provoca um ressecamento e pode
causar descamações na pele. Além disso, há risco de entrar nos olhos da pessoa
provocando irritação, alergia ou até uma lesão”, explica.

Outro fator a ser observado é que o uso do álcool gel no rosto pode causar alergia, o que
provocaria o lesões, fazendo com que a pessoa leve mais as mãos ao rosto para coçar ou
para retirar as casquinhas. ...

No cenário atual, saiba quais são as competências mais buscadas pelas empresas na hora de contratar


A pandemia do novo coronavírus mudou a forma de pensar de empregadores e, por
conta disso, é fundamental que os candidatos à vaga de emprego estejam atentos a
esta nova realidade. Para o diretor da RH Mattos, empresa que atua em processos de
seleção de profissionais efetivos, temporários e estagiários, Cassio Mattos, há
competências que até poderiam ser consideradas importantes antes, mas que agora
tornaram-se essenciais.

“Nas entrevistas que estamos conduzindo para os projetos de seleção em nossa
empresa nas quais os cargos são de lideranças estamos buscando evidências junto aos
candidatos da capacidade de demonstrar coragem, de dar uma direção em cenários de
incerteza e de liderar a equipe, definir objetivos e estabelecer metas. Obviamente para
fazer bem esse papel, ele precisa ter empatia e comunicação clara”, explica.

Uma característica buscada pelas empresas no cenário atual é a capacidade de tomar
ações concretas mesmo que seja para corrigir rapidamente e não aquele perfil de
alguém que espera que os outros mostrem os caminhos a serem seguidos.

“As empresas buscam profissionais que sejam flexíveis o suficiente para rever seus
processos frente a uma nova forma de atender o cliente, por exemplo, pois é isso que
está acontecendo. No cenário atual, o cliente não vem até a empresa. É preciso buscar
ele através do meio digital e com abordagens completamente diferentes do que era no
passado”, completa Cassio.

Para as empresas é fundamental ter uma assessoria qualificada nesse processo de
contratação, uma vez que ninguém quer correr o risco de errar na escolha do
profissional.

“Este cuidado não é de hoje, mas foi acentuado por conta da incerteza e instabilidade
econômica atual”, finaliza.

Fonte: PlayPress ...

Governo recebe 37 recursos na nona rodada do Distanciamento Controlado


O governo do Estado recebeu, nas últimas 36 horas, 37 pedidos de reconsideração nos
dados utilizados na nona rodada do Distanciamento Controlado. Municípios e associações
regionais tinham até as 6h deste domingo (5/7) para recorrer do resultado do mapa
preliminar divulgado na sexta-feira (3/7), em que dez regiões aparecem com bandeira
vermelha.

Nesta rodada, municípios ou associações regionais de todas as regiões em bandeira
vermelha entraram com recurso.

São 307 municípios em bandeira vermelha, dos quais 177 podem adotar protocolos
previstos na bandeira laranja por meio de regulamento próprio. Isso porque se adequam
à chamada “Regra 0-0” e não tiveram registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de
morador nos 14 dias anteriores ao levantamento.

Os recursos foram apresentados por meio de formulário on-line disponibilizado pelo
Estado no site do Distanciamento Controlado. O endereço
recursosdistanciamentocontrolado@saam.rs.gov.br, previamente utilizado para o envio
de recursos, está disponível somente para esclarecimento de dúvidas.

A partir de agora, os pedidos serão computados e passarão por análise do Gabinete de
Crise na segunda-feira (6/7). No mesmo dia, à tarde, o governador Eduardo Leite fará o
anúncio do mapa final, com as bandeiras que passarão a valer a partir de terça-feira
(7/7).

Cronograma da 9ª rodada
• Quinta-feira: coleta de dados dos 11 indicadores
• Sexta-feira: divulgação das bandeiras preliminares
• Domingo: prazo até as 6h para apresentação de recursos
• Segunda-feira: análise de recursos e divulgação, à tarde, das bandeiras definitivas
• De terça-feira (7/7) a segunda-feira (13/7): vigência das novas bandeiras

Mapa preliminar da 9ª rodada
A piora nos indicadores de propagação da Covid-19 e na ocupação de leitos fez com que
o mapa preliminar do Rio Grande do Sul ficasse ainda mais vermelho, com 10 regiões
em risco alto – ou seja, com a bandeira vermelha. As outras 10 regiões ficaram com
laranja (risco médio). O Estado segue sem registro de bandeira preta (risco altíssimo),
mas, pela primeira vez, nenhuma região foi classificada em amarelo (risco baixo).

O risco alto foi identificado em Palmeira das Missões, Pelotas, Erechim e Caxias do Sul,
que estavam com bandeira laranja e evoluíram para vermelha. Bagé, que estava na
amarela, foi para laranja.

As regiões de Porto Alegre, Capão da Canoa, Novo Hamburgo e Canoas, por terem sido
classificadas em vermelho pelo menos duas vezes no período de 21 dias, mesmo que
apresentassem melhora nos dados, não poderiam ter regressão no nível de restrição,
com isso, seguem com bandeira vermelha. Passo Fundo não apresentou melhora nem
piora no cálculo dos indicadores e permanece com vermelha. Santo Ângelo foi a única
região que apresentou redução de risco, saindo da vermelha para a laranja. ...

Centro de enfrentamento ao coronavirus iniciou atendimentos em Butiá


Após o período de montagem, o Centro de Atendimento de Síndrome Gripal e COVID-19
iniciou os atendimentos nesta quarta-feira (1°), em Butiá. A unidade fica localizada na
Avenida Leandro de Almeida, ao lado da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). O serviço
é considerado um reforço no combate ao coronavírus (COVID-19) e foi implantado
conforme o credenciamento do município junto ao Ministério da Saúde.

O espaço é composto por quatro salas, divididas em consultório, acolhimento,
isolamento e coleta. Já a equipe de profissionais é composta por um médico, enfermeiro
e técnico de enfermagem. O objetivo do centro é identificar precocemente os casos
suspeitos de infecção, por meio da qualificação do processo de acolhimento com
classificação de risco, visando à identificação da necessidade de tratamento imediato.
Além disso, uma Central de Monitoramento também funciona junto ao novo serviço.

Segundo o secretário de Saúde, Paulo Almeida, ainda será possível aumentar o número
de testagem. Outra meta é liberar os demais postos de saúde e aos poucos retornar os
atendimentos de rotina das unidades, que são fundamentais na prevenção e saúde
básica. Por se tratar de uma estratégia do governo federal, está previsto que os
municípios que implantaram os centros de atendimento receberam apoio financeiro para
o custeio.

Serviço:

O horário de atendimento é das 8h às 12h e das 13h às 17, de segunda a sexta-feira. Os
pacientes que tiverem sintomas gripais podem continuar realizando contato por telefone
ou procurar o Centro de Atendimento. ...

Polícia Rodoviária Federal prende traficante com crack na Barra do Ribeiro


Na tarde desta quarta-feira (1), a Polícia Rodoviária Federal prendeu um homem que
transportava quatro quilos de crack em um carro. A ação ocorreu na BR 116 em Barra do
Ribeiro.

Durante fiscalização na rodovia, policiais rodoviários federais abordaram um automóvel Up
com placas de Sapucaia do Sul/RS. Diante do nervosismo e das contradições do motorista,
os agentes federais realizarem uma busca mais minuciosa no veículo, encontrando quatro
pacotes com crack escondidos em uma caixa.

O condutor, de 31 anos, residente em Canoas, foi preso em flagrante por tráfico de drogas
e encaminhado com a droga e o veículo para a área judiciária local.

...

Temporal provoca danos estruturais em culturas e criações


Em parceria com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), a
Emater/RS-Ascar realizou um breve levantamento, na tarde desta quarta-feira (1º/7), dos
efeitos do temporal e ciclone que atingiram o Estado.

De acordo com as informações até o momento, de modo geral, no meio rural não
ocorreram prejuízos significativos para as culturas e criações do Estado.

Os prejuízos, de forma bem localizada, foram contabilizados em estruturas afetadas, como
galpões, estufas e silos, além de destelhamento de casas. Também ocorreu interrupção do
fornecimento de energia elétrica, a qual está sendo restabelecida. O caso de interrupção
muito prolongada poderá causar algum prejuízo na produção leiteira.

Houve relatos de prejuízos no reflorestamento na região de Erechim; na cultura do alho na
região de Caxias do Sul e nas olerícolas e bananais do Litoral Norte. ...

Preço do teste Covid-19 na rede privada pode ser consultado no aplicativo Menor Preço


O aplicativo Menor Preço Nota Gaúcha tem disponível mais uma função. Agora é possível
pesquisar o valor dos testes para Covid-19 nos laboratórios da rede privada. A nova
funcionalidade pode ser encontrada na página principal da ferramenta, ao clicar na
categoria “Prevenção Covid-19”.

Neste atalho também é possível fazer consulta rápida sobre alguns itens básicos de
prevenção ao coronavírus e visualizar o telefone do estabelecimento, para que o usuário
confirme a disponibilidade e informações do produto antes de se deslocar até o local.

Para disponibilizar informação de forma mais rápida e ajudar no combate ao coronavírus
no Estado, a Receita Estadual dispensou temporariamente, desde o final de março, a
necessidade de os cidadãos realizarem cadastro no programa Nota Fiscal Gaúcha (NFG)
para fazer a consulta de preço dos produtos no aplicativo Menor Preço. As mudanças no
aplicativo são desenvolvidas em parceria com a Procergs.

O aplicativo está disponível gratuitamente nas lojas App Store e Google Play. Os
usuários que já têm a ferramenta instalada no dispositivo móvel devem fazer a
atualização para que apareçam as novidades da nova versão.

A liberação da consulta de preços é um serviço do governo do Estado, por meio da
Receita Estadual, para ampliar o acesso dos cidadãos ao banco de dados, além de
contribuir para o acompanhamento e fiscalização dos estabelecimentos quanto à
cobrança de preços justos.

O aplicativo

Por meio de consultas às Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) e às Notas Fiscais de
Consumidor Eletrônicas (NFC-e), as informações dos valores são atualizadas em tempo
real no aplicativo toda vez que um estabelecimento realiza uma venda a varejo com
indicação do CPF. O aplicativo mostra o preço de acordo com a última nota de venda do
produto com CPF emitida pelo estabelecimento, sendo importante, portanto, verificar na
tela do aplicativo a data e o horário em que a nota foi processada. ...

Estado agiliza ações para liberar rodovias atingidas por temporal


Os temporais que atingiram o Rio Grande do Sul desde terça-feira (30/6) provocaram
alterações no trânsito de rodovias estaduais de diversas regiões. Além da queda de
barreiras e de parte da pista da ERS-448, na Serra, a cheia dos rios também deixa em
alerta os órgãos responsáveis pelas estradas.

Com bloqueio total após a queda de uma das pistas no km 39, a ERS-448 terá
emergência decretada para agilizar as obras de recuperação do pavimento. De acordo
com o secretário de Logística e Transportes, Juvir Costella, o trecho foi vistoriado e, no
momento, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) está definindo a
solução técnica para a rodovia. "Estamos trabalhando paralelamente nos estudos e nos
trâmites para o decreto", ressalta. "Uma vez classificada como emergência, poderemos
contratar os serviços de recomposição da estrada com mais rapidez do que em um
processo licitatório convencional."

Por enquanto, os motoristas que se deslocam de Veranópolis a Nova Roma do Sul
devem utilizar a ERS-437. Para os que partem de Farroupilha, a orientação é seguir até
Antônio Prado pela ERS-122, acessar a cidade e, então, pegar a ERS-437 e a ERS-448
para chegar a Nova Roma do Sul.

Outra rodovia com interrupção total é a ERS-130, entre General Câmara e Mariante. O
rio Taquari transbordou e impede o tráfego entre os km 29 e 31. Não há desvio no local.

De acordo com o diretor-geral do Daer, Luciano Faustino, a maioria das estradas onde
houve registro de quedas de árvores e barreiras já foi liberada. "Temos uma situação
pontual na ERS-324, em Casca, onde houve uma queda de material no acostamento do
km 246", relata. "Estabelecemos trânsito alternado neste ponto e devemos começar os
reparos ainda esta semana."

Na ERS-135, entre Getúlio Vargas e Erechim, quatro pontos bloqueados por quedas de
árvores já foram desobstruídos. Também houve a liberação de tráfego na ERS-115 (Três
Coroas - Gramado), ERS-020 (Três Coroas - São Francisco de Paula) e ERS-040 (que
liga Viamão ao Litoral Norte).

"Contamos com a ajuda dos bombeiros, do Comando Rodoviário da Brigada Militar e das
prefeituras e conseguimos normalizar as condições da maior parte desses trechos ainda
na terça", afirma o diretor-presidente da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), Urbano
Schmitt. ...

Prefeitos relatam dificuldade para conseguir medicamentos


Prefeitos da Região Metropolitana e do Vale dos Sinos se reuniram nesta terça-feira (30)
para tratar da velocidade que se expande a pandemia no Rio Grande do Sul. “Estamos
todos mobilizados e precisamos de ajuda, do Estado e do governo federal. Sozinhos não
conseguiremos”, disse a presidente da Granpal, Margarete Ferretti.

Na videoconferência, os gestores municipais se queixam, principalmente, da dificuldade de
conseguir medicamentos. “As licitações são desertas ou os prazos de entrega são para
outubro. O que é inadmissível”, diz a prefeita de Dois Irmãos, Tânia Terezinha da Silva. Na
mesma linha vai Luis Linke, de Sapucaia do Sul: “esse fato é muito perigoso. Nosso
fornecedor pede 60 dias para começar a entregar os medicamentos”, explica.

José Sperotto, de Guaíba, diz o que Governo federal parece apático e precisa ajudar mais.
“O Planalto está longe das cidades, precisa participar. Está na hora de assumir essa
responsabilidade”. De São Leopoldo, Ary Vanazzi, diz que a situação só vai piorar se não
haver unidade. “Ou tomamos uma atitude para segurar a curva ou vai piorar cada vez
mais, e isso passa pela saúde e também pela economia”, destacou.
...

RS Seguro amplia de 18 para 23 os municípios priorizados no programa


O RS Seguro – Programa Transversal e Estruturante de Segurança Pública – terá
ampliado seu foco territorial para o combate à criminalidade e a implantação de políticas
sociais preventivas. O grupo de municípios priorizados no planejamento de ações, que
até então reunia os 18 onde havia se concentrado os maiores índices de criminalidade
entre 2009 e 2018, vai agregar cinco outras cidades: Bento Gonçalves, Cruz Alta,
Farroupilha, Ijuí e Lajeado.

O anúncio foi realizado na tarde desta quarta-feira (1°/7), em videoconferência do vice-
governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, com prefeitos das
cinco cidades.

A partir dos resultados alcançados em 2019, que encerrou com os menores indicadores
criminais da década, o comitê executivo do RS Seguro qualificou os critérios técnicos
para a escolha dos municípios a serem priorizados, de forma a refletir o cenário mais
recente da criminalidade no Estado.

“Depois do sucesso em intensificar o combate ao crime nos municípios que
concentravam os maiores índices de violência da última década, queríamos avançar com
essa estratégia naqueles em que a violência se faz mais presente no contexto atual. Isso
vai nos permitir dar respostas mais incisivas nos locais onde os homicídios ainda estão
em nível elevado”, explicou o vice-governador Ranolfo aos prefeitos durante a
videoconferência.

Para isso, foram realizadas três simulações de ranqueamento pela incidência de crimes
violentos letais intencionais (CVLI). A primeira manteve os critérios da pesquisa que
selecionou os 18 municípios iniciais, mas reduziu alguns parâmetros. Os períodos
observados foram 2010 a 2019 (últimos 10 anos) e de 2015 a 2019 (últimos 5 anos), e
a população mínima considerada foi reduzida de 65 mil para 60 mil moradores. O ponto
de corte da média anual de mortes violentas baixou de 50 para 25 mortes, e o critério
da taxa de vítimas para cada 100 mil habitantes também foi diminuído, de 30 para 25.

A segunda simulação usou esses mesmos critérios reduzidos, mas também encurtou os
períodos avaliados, analisando apenas dados de 2018 a 2019 somados (últimos dois
anos) e os do ano passado isoladamente (último ano).

Por fim, a terceira simulação também utilizou esses dois períodos mais recentes (2018 a
2019 somados – últimos dois anos – e os do ano passado isoladamente – último ano),
mas selecionou somente os municípios em que as taxas de CLVI para cada 100 mil
habitantes fossem superiores às médias do Estado nos últimos dois anos (2018-2019:
21,1 mortes para cada 100 mil habitantes) e no último ano (2019: 18,4 mortes para
cada 100 mil habitantes).

Embora não tenha aparecido nas três simulações de incidência de CVLIs, o município de
Ijuí também passará a fazer parte do grupo prioritário porque o corpo técnico do RS
Seguro detectou um incremento de quase o dobro na taxa de vítimas para cada 100 mil
habitantes entre 2018 e 2019. A taxa passou de 5,7 para 16,8 (194,7%) – foi o terceiro
maior crescimento, ficando atrás apenas de Farroupilha, que apareceu nas simulações, e
Cachoeira do Sul (mas com a metade da taxa registrada em Ijuí).
Além disso, Ijuí sofreu uma mudança de patamar nos últimos anos: enquanto entre
2014 e 2018 a média anual era de 6 CVLIs, em 2019 essa marca saltou para 15 vítimas,
e até junho de 2020, já foram registradas 13 mortes violentas na cidade.

A ampliação no número de municípios também aumenta a representatividade do grupo
priorizado em relação ao Estado nos três indicadores que são acompanhados pelo ciclo
mensal de GESeg.

Enquanto os 18 municípios iniciais respondiam por 45% da população do RS, o grupo
com 23 cidades soma 49% do total de habitantes. No indicador de mortes violentas, o
conjunto que antes acumulava 71% das vítimas agora representa parcela de 72,2%.
Nos roubos a veículos, o percentual passa de 89% para 91%, e no roubo a pedestres, de
88% para 89,7%.

RS Seguro tabela2

COMO FUNCIONARÁ A INCLUSÃO DOS
NOVOS MUNICÍPIOS NO PROGRAMA

A inclusão dos novos municípios nos trabalhos irá ocorrer em duas etapas. No eixo 1 do
programa – combate à criminalidade – o início será imediato. Ainda neste mês de julho,
as forças de segurança dessas cinco cidades farão a capacitação das equipes e a
definição de seus indicadores locais para participar, já em agosto, do ciclo mensal de
monitoramento da Gestão de Estatística em Segurança (GESeg), que agora fará a
análise dos dados de 23 cidades.

Já faziam parte da sistemática, que completa um ano de implantação neste mês de
julho, Alvorada, Cachoeirinha, Canoas, Capão da Canoa, Caxias do Sul, Esteio, Gravataí,
Guaíba, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Rio Grande, Santa Maria,
São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Tramandaí e Viamão.

Além disso, os cinco novos municípios darão início ao estudo para criação em seus
territórios das Áreas Integradas de Segurança Pública (AISPs). Mais do que uma
premissa, a integração entre os órgãos de segurança é vista dentro do RS Seguro como
instrumento fundamental para ampliar a eficiência do combate à criminalidade e a
redução dos índices. A implantação das AISPs é a concretização prática dessa estratégia,
ao promover a compatibilização das áreas de atuação nas cidades pela Polícia Civil e
pela Brigada Militar.

Isso permite melhor sintonia entre as delegacias de polícia e batalhões que atendem as
diferentes regiões de uma cidade, facilitando a troca de informações e o trabalho
conjunto.

Entre os municípios que já faziam parte do grupo prioritário, 13 já tiveram os estudos
concluídos e em 11 desses o método já está sendo aplicado. A meta é finalizar a
implantação nos 18 até o final de 2020.

No eixo 2 do programa – políticas sociais preventivas –, a previsão é que os cinco novos
municípios no grupo prioritário iniciem as ações em agosto. Até lá, as prefeituras farão a
indicação dos pontos focais para interlocução com o corpo técnico do RS Seguro, que
opera a análise estatística para identificar os bairros e escolas a serem integrados no
foco de atuação.

Nos 18 municípios que já compunham o grupo prioritário, a avaliação de indicadores
relacionados à vulnerabilidade social e ao desempenho educacional elencou 52 bairros e
169 escolas que necessitam de intervenção especial. O recorte soma 116,2 mil alunos
atendidos como público-alvo de mais de 30 projetos executados pelas secretarias de
Estado envolvidas no programa transversal – Educação, Saúde, Trabalho e Assistência
Social, Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Esporte e Lazer, Cultura e Inovação,
Ciência e Tecnologia. ...

Justiça nega liminar que pedia anulação de processo seletivo para Agentes de Saúde


As inscrições para os cargos de agente de combate às endemias e agente comunitário de
saúde estão abertas até 10 de julho. A Justiça Estadual do Rio Grande do Sul indeferiu
pedido liminar visando a impugnar o processo seletivo. O pedido havia sito realizado
pela Associação dos Agentes Comunitários de Saúde de Porto Alegre. "Não existem
elementos seguros a amparar a pretensão de anulação do certame neste momento, sem
que ao menos se oportunize o contraditório e a avaliação da própria administração
pública de eventual necessidade de retificação editalícia", disse o juiz Murilo Magalhães
Castro Filho.

O magistrado afirmou ainda que a anulação do certame neste momento vai de encontro
à urgente necessidade suprimento de vagas de agentes de saúde. "Verifico no âmbito de
processo de mediação que tramita perante o TRT que já existem inúmeras propostas e
tentativas recentes de forma como ocorrerão as demissões dos servidores, cuja lei que o
criou foi considerada inconstitucional", ressaltou, em decisão proferida no dia 16 de
junho. Leia aqui na íntegra.

Inscrições - A Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciências (Fundatec) é
responsável pelo processo seletivo. Para o cargo de agente de comunitário de saúde, o
candidato deve ter concluído o Ensino Médio, residir na área geográfica correspondente
à inscrição e curso de formação inicial. Já o agente de combate às endemias necessita
ter Ensino Médio e curso de formação inicial. O candidato deverá preencher o formulário
de inscrição no site da Fundatec e emitir o Documento de Arrecadação Municipal – DAM
(boleto bancário) para pagamento da taxa de inscrição, no valor de R$ 115,88, até 11
de julho. No momento da inscrição, deverá enviar uma foto digital atualizada de seu
rosto, em arquivo com as extensões jpg, jpeg ou png para o e mail
concursos@fundatec.org.br. ...




Edição n° 205 - JULHO 2020

Selecionar Edição
  • Edição n° 205
  • Edição n° 204
  • Edição n° 203







  • Av. Roque J. O. Giacomelli, nº 542, Pq. Eldorado - Eldorado do Sul - Fone (51) 3481 1821